De geleia a tempero salgado, festival mostra do que o cacau é capaz

Alguns dos produtos apresentados na Feira Internacional do Chocolate e Cacau.

Com aquele ar de sabedoria de vó e um sotaque gostoso de ouvir, Walna Alcântara, da Acará Doces Tradicionais, dispara: “Com o cacau dá para fazer N coisas”. Durante a 8ª edição do Festival Internacional do Chocolate e Cacau, em Ilhéus (BA), a reportagem do UOL viu que Walna não estava brincando.

Geleia, suco, cerveja, amêndoas torradas, tempero salgado, chocolate quente de garrafa e até sabonetes foram apresentados ao público pelos cerca de 60 expositores no evento gratuito, que reuniu 50 mil pessoas entre os dias 21 e 24 de julho.

Nos corredores lotados do festival é claro que muitos chocolates também faziam sucesso com o público.

“Do Estado Islâmico aos Estados Unidos, todo mundo come chocolate”, argumenta Marco Lessa, o realizador do evento.

Muitos dos doces ali apresentados são produzidos com cacau cultivado na própria região e com amêndoas selecionadas para a criação de chocolates premium, também chamado “de origem”, com sabor mais intenso de cacau.

rede-bravence-portal-buffet-bettino-valerio-vignatti-sogipa-porto-alegre-festival-do-cacau

Uma prática comum entre os chocolates premium é apontar na embalagem qual o teor de cacau que o produto possui. E, entre as novidades, encontramos até mesmo um com 99% de cacau – no entanto, é indicado para paladares já acostumados com muito amargor. Se sua praia é o chocolate ao leite, há muitas outras opções.

Para um comparativo, vale destacar que a legislação brasileira exige que, para ser considerado chocolate, o produto possua um mínimo de 25% de “sólidos de cacau”, o que pode englobar tanto a manteiga quanto a massa de cacau.

* A jornalista viajou a convite do Festival Internacional do Chocolate e Cacau

Você pode gostar...